Introdução – HB Normais

/Introdução – HB Normais
Introdução
Autores:ppppp Paulo Cesar Naoum
Flávio Augusto Naoum
     
   A síntese de moléculas de hemoglobinas abrange a ação de genes de globinas a, b, d e g, além dos genes da fase embrionária (z e e), conforme mostra a figura 3.5 (Hemoglobina/Síntese genética). Durante esse processo biológico que é desenvolvido nos eritroblastos e reticulócitos, destacam-se duas organelas: ribossomos e mitocôndrias. Nos ribossomos as bases nitrogenadas são traduzidas em seus respectivos aminoácidos (ver tabela 3.2 em Hemoglobina/Síntese genética) e interligadas entre si para formarem moléculas de globina (ver photo-motion DNA em Hemoglobina/Síntese genética). Nas mitocôndrias se formam os grupos heme (ver figura 3.12 em Hemoglobina/Síntese genética).

Como resultado dessas ações biológicas as sínteses de globinas a, b, g e d ocorrem concomitantemente com os grupos heme que se inserem na estrutura terciária dessas globinas e, em seguida, se dimerizam em a 2, b 2, d 2 e g 2, para então se tetramizarem em moléculas de estrutura quaternária de a 2 b 2 (Hb A), a 2 d 2 (Hb A2) e a 2 g 2 (Hb Fetal). Essa síntese de hemoglobinas descrita para a fase pós-nascimento, que será efetiva para toda a vida do indivíduo, acontece também nas fases fetal e embrionária. Entretanto, para o fim de expor didaticamente o equilíbrio que se verifica entre as globinas dimerizadas alfa e não-alfa (b, d, g), representamos por meio de figuração hipotética a formação dee hemoglobinas A, A2 e Fetal após o sexto mês de vida (figura 4.1)

1
Figura 4.1
 – Esquematização hipotética da formação equilibrada entre globinas alfa e não-alfa (b, d e g) após o sexto mês de vida.
Se pudéssemos “encaixotar” as globinas alfa e não-alfa seria possível construir modelos representativos do equilíbrio das globinas alfa e não-alfa (b, d, g) das hemoglobinas normais e também do desequilíbrio que se ocorre nas talassemias alfa e beta (figura 4.2).
2
Figura 4.2 – Esquematização do equilíbrio entre globinas na formação de hemoglobinas normais, e dos desequilíbrios na talassemia alfa (diminuição da síntese de globina a) e na talassemia beta (diminuição da síntese de globina b).
Considerando que o volume de síntese das hemoglobinas A, A2 e Fetal é proporcional às suas respectivas concentrações obtidas por fracionamento eletroforético ou cromatográfico, é também possível supor que em condições normais essas três hemoglobinas compartilham do mesmo espaço – obviamente com concentrações diferentes – dentro de um mesmo eritrócito. Consideram-se portanto como hemoglobinas normais as três frações identificadas por Hb A, Hb A2 e Hb Fetal em pessoas com idade superior a 6 meses, conforme mostra a figura 4.3 obtida por eletroforese de hemoglobina em agarose alcalina (oH 8,5).
3
Figura 4.3 – Eletroforese de hemoglobina.

Algumas características sobre essas três hemoglobinas normais devem ser ressaltadas.

A Hb A por ser a molécula mais representativa e, portanto, evolutivamente a mais capacitada para as funções básicas, por exemplo: troca gasosa e participação na manutenção do equilíbrio ácido-básico, é considerada como padrão físico-químico, genético e molecular. Assim, todos os outros tipos de hemoglobinas normais (embrionárias e fetal) e variantes (Hb S, Hb C, Hb Instáveis, Hb com alterações fisiológicas, etc.) têm suas estruturas moleculares, atividades fisico-químicas e genéticas, comparadas com as da HbA.

A Hb A2 é considerada como a hemoglobina mais estável sob o ponto de vista de estrutura molecular. Sua concentração padrão (2 a 4%) tem importância no teste de identificação de talassemia beta menor, pois em 95% das pessoas portadoras desse tipo de talassemia a Hb A2 apresenta-se com concentração elevada (>4,0% – 7,0%). Por outro lado, a diminuição da Hb A2 abaixo de 2% de sua concentração é indicativo de anemia ferropriva ou de talassemia alfa menor (Hb AH).

A Hb Fetal é fisicamente menos estável que a Hb A. A elevação de Hb Fetal acima de 1,0% em pessoas com idade superior a 6 meses é indicativo de talassemia beta menor (Hb Fetal: > 1,0% – 5,0%, associada a anemia microcítica e hipocrômica de discreto grau) ou de persistência hereditária de Hb Fetal (Hb Fetal: > 1,0% – 20,0%, geralmente com eritrograma normal) ou, também, de talassemia beta maior (Hb Fetal acima de 20%, associada a anemia microcítica e hipocrômica de grave intensidade).

Por todas essas razões justifica-se sempre no estudo das hemoglobinas a avaliação quantitativa das hemoglobinas A, A2 e Fetal.

Por fim, ao se referir que uma pessoa é portadora de hemoglobinas normais usa-se a representação Hb AA que indica que o indivíduo recebeu do pai e da mãe os genes aA bA.